Gonartrose (Artrose do joelho)

A artrose do joelho pode surgir como consequência de trauma, infecção, pós-meniscectomia (cirurgia de ressecção do menisco), lesão ligamentar, reumatismo, obesidade ou qualquer outro fator que provoque agressão articular. Por outro lado, também pode surgir sem causa aparente quando denominamos de gonartrose primária.

 

A gonartrose atinge mais o sexo feminino do que o masculino. A dor pode ser do tipo mecânica, pelo fato de se agravarem ao longo do dia (devido aos esforços) e melhorando quando o doente repousa, ou do tipo inflamatória que geralmente é constante, não melhora com repouso e provoca derrame articular (excesso de líquido na articulação - sinovite). A rigidez surge, sobretudo, ao se iniciar os movimentos, sendo esta de curta duração. A limitação do movimento pode surgir precocemente, ao contrário das deformidades que, em regra, são tardias.

 

Os músculos quadríceps e isquiotibiais sofrem hipotrofia (diminuição do volume e da força) que pode estar relacionada com o desuso provocado pela dor, pela diminuição de movimentos e pelo derrame articular recorrente.

 

O diagnóstico é realizado com base no quadro clínico, exame físico e exames complementares do paciente. Nas radiografias do joelho percebe-se o aparecimento de osteófitos nas extremidades (“bicos-de-papagaio”), cistos subcondrais (próximo à linha articular), esclerose (coloração esbranquiçada) do osso subcondral e estreitamento do espaço articular.

 

O tratamento inicialmente é clínico. O objetivo é minimizar a dor por meio de terapias não-medicamentosas e terapias medicamentosas.

 

A primeira inclui a fisioterapia, a osteopatia e a acupuntura. Já a segunda, é realizada através de medicamentos condroprotetores (condroitina e glicosamina), analgésicos comuns (paracetamol ou dipirona), analgésicos opióides fracos (codeína ou tramadol), anti-inflamatórios hormonais e não-hormonais, ou ainda, com terapia intra-articular através da infiltração de corticosteróides ou ácido hialurônico dentro da articulação.

 

Quando o tratamento clínico deixa de ser eficaz, o próximo passo é o tratamento cirúrgico que pode abranger desde uma lavagem articular por videoartroscopia (toalete articular), a osteotomia ou até a artroplastia total do joelho.

 

A gonartrose é uma doença ainda sem cura para a medicina. O tratamento deve ser sempre ponderado com o médico assistente para definir a melhor medicação, exercícios e terapia cirúrgica individualizada para cada caso.

Desenvolvido por Proxymed - Gestão e Marketing Médico